quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

• Cidadão-Cliente-Mistério

Tal como já disse no último post deste blog, se o Estado precisasse dos serviços dum “cliente-mistério” para aferir como trata os seus cidadãos, talvez eu fosse um interessante case study.

Se se quisesse aferir como numa democracia temos um fisco que se comporta como se estivéssemos ainda no feudalismo da idade média ou nos anos vinte do século passado na Chicago de Al Capone, e ainda por cima de forma atabalhoada, eu tenho muito o que contar!…

Se se quisesse aferir como um entidade estatal como o Instituto do Emprego e Formação Profissional não serve para rigorosamente nada no apoio à procura de emprego aos cidadãos  inscritos para o efeito neste IEFP, e farta-se de esbanjar recursos financeiros e humanos em serviços e actividades só para inglês ver e para aldrabar estatísticas, eu tenho muito o que contar!…

Se se quisesse aferir como a Segurança Social também não cumpre cabalmente a sua missão e deixa os cidadãos desamparados quando mais se necessita desta, eu tenho muito o que contar!…

Mas já agora, também tenho muito o que contar se se quisesse aferir como o Serviço Nacional de Saúde funciona tão melhor nos hospitais de serviço público geridos por entidades privadas. Tais como o novo Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, para dar o exemplo que melhor conheço aqui…

Feito um balanço geral, no entanto, enquanto cidadão e cliente deste estado estou farto de ver-nos a todos pagar tanta ineficácia. Quero mudar de fornecedor de serviços estatais para cidadãos. 

Vou emigrar. Vou-me baldar daqui p'ra fora! Esta vai ser a minha principal resolução do Ano Novo de 2016 que se avizinha a galope.

De qualquer modo, o estado português já me perdeu faz muito tempo como um cidadão exemplar. Só consigo continuar a ser um cidadão rasca aqui permanecendo. E apesar da esperança ténue renascida no seio do povo português com a posse do actual governo, ainda vai correr muita mas muita água debaixo da ponte até que grande parte daquilo a que eu apontasse o dedo fosse corrigido.

Estou também imensamente farto de observar tanta gente como eu, com maiores e melhores talentos e competências do que euzinho aqui, permanecer desperdiçada neste país que se mostra impotente para aproveitar todo o seu rico capital humano.

Bom, mas vá lá, isto deve ser uma maleita generalizada neste mundo inteiro. Mas talvez sobretudo nas sociedades do mundo ocidental.

Existe apesar de tudo na União Europeia uma jovem democracia - ou ao menos ainda não tão caquética como a nossa - que hoje e sempre me atraiu pelo pragmatismo do seu estado e pela resiliência* dos seus cidadãos. E é para lá que eu queria ir, se com a sua generosidade me puderem aceitar lá.
______________________________________________________

* Detesto este palavrão, “resiliência”!… Ou buzzword, como se soe ouvir tanta vez a sair da boca de gurus nos dias de hoje. "Tenacidade" será quiçá uma melhor escolha para bem descrever o carácter do povo da Singing Revolution.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

• Cidadão versus Estado

Hoje a taça transbordou. O Estado desta nação tuga em que nasci esmaga-me até eu não poder mais. E antes que me venham á mente avulsas tendências suicidas ou ímpetos terroristas, vou finalmente contar porque me considero e me tornei num cidadão rasca.

Se o Estado precisasse dos serviços dum “cliente-mistério” para aferir como trata os seus cidadãos, talvez eu fosse um interessante case study*… Senão vejamos o relato de desventuras que se seguirá. 

A bola de neve encetou-se assim: tive um veículo automóvel até ao ano de 2002. E até esse ano paguei o malfadado IUC, Imposto Único de Circulação Automóvel. O vulgar “selo do carro”. Que à altura, se não me engano, era só cerca de uns simbólicos 5 a 6 euros por ano.

Entrei então num período de desemprego prolongado, que durou cerca de 3 a 4 anos. Não querendo ter encargos com a manutenção desse veículo e demais despesas, como seguros, simplesmente deixei-o parado, estacionado perto da minha residência.

Uma diligente soldado da GNR - de um aquartelamento bem longe de onde vivo, Alverca no caso dela - um dia fazendo a sua ronda ou serviço fora da sua área de intervenção principal vislumbrou esse veículo e foi espreitar a validade do selo do meu carro, uma vez que não teria mais para fazer, talvez. E deixou-me uma multinha nada simpática no pára-brisas.

Transformou logo ali uma suposta dívida minha ao estado dos tais 5 euros do selo do carro, com a sua validade ultrapassada em um ano, em mais de 130 euros!…

Fiquei então ciente de algo que tinha entretanto mudado na legislação portuguesa fazia já uns anos antes. Antes eu julgava que um veículo não podia circular sem o tal Imposto Único de Circulação Automóvel em dia. Passei a saber que mesmo sem circular, apenas parado na via pública, se uma autoridade policial o surpreendesse sem o IUC regularizado poderíamos ter aquela dolorosa.

Tratei então de fazer o carro desaparecer das vistas de quem quer que seja. Desfiz-me deste, entregando-o a um ferro-velho, que mo veio recolher. Desconhecia então era que para a Autoridade Tributária este continuava a ser “visível” nas suas bases de dados. E a dever o tal IUC todos os anos.

Quando me livrei do carro não conservei deste comigo quaisquer documentos. Nem retive onde se localizaria o tal ferro-velho que mo levou. É o meu déficit de sabedoria e de senso comum do que é ser-se um cidadão com deve ser… Não sei nem penso nestas miudezas.

Quando a AT, Autoridade Tributária, me começa a avisar de estar a dever vários anos o IUC, essa dívida já ia numa soma avultada.

É que os queridos do fisco cobram-nos coimas, juros de mora e custos administrativos com uma desfaçatez tal que a meu ver faria corar de vergonha os maiores agiotas!… Dito por outras palavras, a arte de fazer as receitas do estado subirem exponencialmente.

Dar baixa do veículo no Registo Automóvel - ou IMT,  Instituto da Mobilidade e dos Transportes, ou lá o que é isso - não me era possível porque não tinha os seus documentos nem meio de os recuperar.

E por outro lado, se o fizesse estaria a assumir que tinha tido o veículo na minha posse todos esses anos e, portanto, a assumir também a dívida à AT, à altura impagável com os rendimentos que auferia.

Um dia reparei nos media que o meu problema com a AT era mais comum do que eu suporia. Nos telejornais víamos filas enormes de contribuintes á porta de repartições de finanças. Com as mesmíssimas dívidas insuportáveis relativas ao horrendo IUC. Tudo para deparar com a proverbial intransigência da AT. 

Os contribuintes portugueses têm em primeiro lugar que pagar o que lhes é comunicado que devem e depois se quiserem que protestem. Mas primeiro dinheirinho cá deste lado!… Assim nos disse sempre o estado. Sempre!

É aí que debuta a minha rasquice. Pelos inúmeros exemplos de irredutibilidade da AT perante cidadãos, passei a tomar a atitude de positivamente marimbar-me para todas as cartinhas de amor que me enviavam. E não segui o exemplo de tantos pobres coitados que perderam o seu tempo e paciência a ir falar com a AT, a ver se conseguiam resolver o seu problema a contento, ou seja, para não ficarem sem pinga de sangue que lhe chupassem.

Umas vezes a consciência lá me roía. E abri algumas. E deu-me a sensação que nalgumas a minha dívida tinha baixado, por motivo de época de saldos, quiçá. Para logo a seguir voltar a subir. Factos que só aumentavam o meu desprezo pelas instituições em questão.

Creio que os legisladores deveriam também recuperar uma certa consciência de que as leis que congeminam nos gabinetes podem ter estas consequências nefastas, e tão alastradas numa sociedade, se não se previrem mecanismos de excepção, que atendam a alguns casos particulares. Ou que haja abertura para outros mais casos, não imediatamente previsíveis.

O caso da alteração das regras do IUC parece-me paradigmático. Mas outros haverá.

Criam-se assim tantas vezes dificuldades aos cidadãos que seriam evitáveis. Mas talvez não se possa é dispensar essa fonte de mais receitas fiscais que tais omissões originam!… Ah, isso não!

Resultado de tudo isto: as ameaças da AT de penhoras de bens vieram um belo dia.

E a AT acha que tem é de cumprir o seu dever. E nem quer saber de se articular com outros serviços estatais. Como a Segurança Social ou outros. Para averiguar se os cidadãos que ameaça de penhoras podem mesmo pagar o que lhes é exigido. Porque há períodos em que os cidadãos podem estar mais fragilizados. Como quando o Estado com as suas políticas económicas fomenta o aumento do número de desempregados. 

Nos países nórdicos há uma tradição de fazer os cidadãos pagarem ao estado segundo os seus rendimentos declarados. Como é um bom exemplo a Finlândia, em que as multas de trânsito para as mesmas infracções são mais altas quanto mais ricos forem os infractores.

O que se me afigura de todo muito justo. Já que não sou finlandês nem muito menos um gajo rico…

Voltando às penhoras… Como soube que a AT pode ter acesso a pôr a sua mão sobre o meu dinheiro que confio aos bancos, não tenho hoje quaisquer contas bancárias. Isto há-de um dia chatear também os bancos, que têm em mim menos um cliente… 

Não sabia era que a AT podia penhorar pagamentos que entidades a quem prestei serviços me iriam fazer…

Hoje uma das agências para quem fiz trabalhos de figuração em telenovelas disse-me que o valor constante no recibo electrónico de acto isolado - ainda por cima um valor bem pequeno** para um ano inteiro, inferior ao valor de um salário mínimo mensal - o único valor em dinheiro fruto neste ano todo de trabalho que efectuei não me iria ser pago. Tudo o que me era devido num ano inteiro de serviços ocasionais e esporádicos iria ser versado à AT.

É então que abaixo a crista e me digno ir falar com funcionários da repartição de finanças cá do bairro fiscal. Isto tudo só para ficar informado de uma linda coisa…

O fisco quando tem de penhorar ordenados que são pagos com regularidade todos os meses a pobres assalariados - que não têm como se escapar a esse castigo muitas vezes injusto, como será de prever - ainda tem alguma compaixão: não se penhora senão um sexto do salário do indigente animal.

Há que deixar o contribuinte comer qualquer coisita para não lhe dar um fanico e não poder mais ganhar um salário que é preciso continuar a chular mais uma cambada de meses.

E agora atentai nesta maravilhosa pérola do fisco tuga que me foi revelada!… No caso de recibos de actos isolados a lei não prevê limites à penhora. Logo, na dúvida, parece que é para penhorar tudo, à fartazana!…

Um Feliz Natal para vocês também, senhores da AT. 

E para vocês também, vermes que bolam as nossas leis, tão queridas que estas são!…

Desejo-vos que vos cresça um pinheiro de Natal bem viçoso por aquele sítio acima em que estão a pensar neste momento!…
______________________________________________________

Nota: E não pensem, caros leitores, que as minhas desventuras com o Estado português se ficam só por isto!… Mas isso é assunto para outros capítulos. O que eu ainda tinha de muito mais para contar, meus deuses…

* Ou um caso desesperado de desapego a uma realidade comum à de todos os outros mortais que já não a questionam e a aceitam como absolutamente natural. Mas eu não.

** Tal como dizia o outro, aquele que fizeram presidente de todos os portugueses, "que mal vai dar para pagar as minhas despesas". E ainda por cima é logo no fim do ano, na época natalícia, que me cortam a possibilidade de usufruir finalmente da minha tão esperada meia-dúzia de dobrões!... 

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

• E a rasquice continua!…

Obrigado, Correio da Manhã!

A priori, os cabeçalhos das gordas nas vossas primeiras páginas e interiores podem parecer por vezes odiosas. Aliás, há na redacção de certos jornais pessoas muito sintéticas, para dizer o mínimo, a criar estes cabeçalhos... 

Esta forma de dar notícias faz vender mais jornais?... Aparentemente, sim. Aqui e em todo o mundo. Infelizmente, digo eu, porque isto não parece nada bonito.

Julgo que é ofensivo, até. Mas ajuda a sabermos separar o trigo do joio. Para quem tem olhos de ver. E mente a que quer dar uso.

Porque, olhando por outro prisma, o que estes cabeçalhos nos dizem? Algo que o visado António Costa, novo primeiro-ministro da República Portuguesa - indicado e não indigitado - não diria nunca assim tão preto no branco. Porque não é elegante. Mas que ao mesmo tempo não desdenharia de que alguém fizesse referência assim, em bom português.

Sim, António Costa deve estar orgulhoso disto, segundo o próprio corpo da notícia citado aqui tal qual impresso no CM, (sic): “Atento às questões da igualdade, António Costa escolheu Ana Sofia Antunes, 34 anos, invisual e presidente da Associação dos Cegos e Amblíopes (ACAPO), com quem trabalhou na Câmara de Lisboa, para a Secretaria de Estado para a Inclusão de Pessoas com Deficiência.”.

Bem como de (sic), “Além de uma ministra negra, Francisca Van Dunem, na Justiça, António Costa leva para o Governo um secretário de Estado cigano…”.

Trata-se, de facto, de (sic), “…um dos mais plurais e integradores Executivos de sempre: um verdadeiro mosaico social.”.

E não mais a nave dos loucos do anterior executivo, que não era mais do que conjunto de ditos neo-liberais bundas-moles, economistas feitos à pressa a partir de estudantes de engenharia ou saídos da Católica; empreendedores tugas nascidos das oportunidades do extinto (acho eu…) FSE, Fundo Social Europeu; miss Swaps e outras aberrações que tais. Comandados por dois aprendizes de feiticeiros, mal assessorados por descarados vígaros.

Que era uma coisinha nada plural nem integradora. Tudo arredado da realidade da vida do cidadão-comum, que espoliaram a torto e a direito. Um verdadeiro mosaico de malfeitores ou idiotas úteis a quem puxa os cordelinhos. Como aquela velha senhora gorda a quem os boches chamam de “mãezinha”. 

E que ainda bem que foi arrecadada por uma maioria de esquerda que até que enfim se juntou neste nosso país com um povo de brandos costumes que levou um valente coice de mula desta vez. Graças aos deuses!… Já não era sem tempo.

A ver se esta nação deixa de ser rasca, de uma vez por todas.

Tenho a impressão que até a múmia que está na presidência se vai sentir arrependido de ter protelado tanto a posse deste novo e bendito executivo, um dia destes.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

• Tudo rasca!…

No dia seguinte às últimas eleições para o parlamento português bazei daqui desta Lisboa p’ra bem longe.

Dia 5 de Outubro passado, enquanto na capital um presidente rasca se escusava a comemorar o Dia da Implantação da República, cá o rapaz tratava de chegar a Lahti, depois de aterrar em Vantaa. Tudo lugarejos em território dessa longínqua e fria Finlândia. Como já me lembrei de contar neste blog o mês passado.

P’ra lá fui - ou fugi do que parece que adivinhava esta choldra se ia tornar - sobretudo porque um cidadão rasca como eu também se pode apaixonar. E como pode, senhores…

Não me pirei por causa do resultado destas eleições. Não. Já o tinha decidido muito antes. O anterior governo rasca andou a lixar-nos tanto a vida a todos, que nem que a esquerda toda tivesse uma maioria parlamentar de mais de 90% dos deputados e que o Livre/Tempo de Avançar e outros pequenos partidos tivessem ganho assento na Assembleia da República, como me faria gosto, eu ficaria mais tempo no jardim à beira-mar plantado.

Fui procurar a minha sorte lá fora, nesse país onde o meu amor de todos os tempos e todas as vidas passadas habita por acaso. Digo por acaso porque ela não é natural da Finlândia.

Essa sorte na vida é procurada também por muitos pobres coitados, os tão falados refugiados que demandaram este último estio em grande número esses ilusórios paraísos com os melhores sistemas de segurança social deste mundo. A Alemanha e os países nórdicos.

E eu fui crendo que os podia ajudar nessa Finlândia em que se encontravam encruzilhados e acolhidos em alguns centros de refugiados, improvisados pela Punaisen Ristin, a mui nobre Cruz Vermelha finlandesa.

E que podia trabalhar para esta meritória instituição, fazendo a ponte entre os seus funcionários finlandeses - pensava eu provavelmente pouco habituados a estes assados - e os grupos de refugiados das mais diversas origens mas maioritariamente sírios e iraquianos.

A paixão cegou-me um pouco e tornou-me naif. Falar inglês com uma boa fluência e ter (presumidamente) umas melhores aptidões de sociabilização com povos forasteiros não é significativo na Finlândia para se arranjar um emprego, mesmo temporário. Sem falar finlandês estamos fritos.

De modos que sou um cidadão rasca em Portugal e mais rasca ainda em Suomi/Finland. Não presto para nada aqui e menos ainda lá.

Num mês e pouco que esta aventura durou, andei a estourar o acesso que ainda tenho a ter dinheiro no bolso com o meu cartanito de crédito, a torto e a direito. Um dia ainda vou descer tão baixo na rasquice que passarei a ver o sol aos quadradinhos. Às tantas…

Mas, como se diz agora, safoda!!!.. Curti como se não houvesse amanhã. Como se pode observar nesta caríssima foto acima, em que revelo o meu rosto sacana num dos meus blogs.

E sobretudo ou ainda por cima tive a ocasião sublime de apreender tão bem na minha pele o que pode ser a união perfeita entre um homem e uma mulher.

Que mais pode desejar este cidadão rasca, auto-recambiado para este pântano após ter estado no céu?…

Agora, olhem, vou tratar de… Desenrascar-me. 

Alguém me quer dar uma mãozinha, já agora, que eu entretenho-vos com as minhas histórias? Saibam que tenho muito que contar, mais do que muita gente sempre alinhadinha, que leva a vida sempre certinha e direitinha…

A minha existência errante e errática dava um belo dum best-seller, penso eu de que.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

• Lahti

Lahti. The first city north of Helsinki where the region of the great lakes begins. The place the most far from my country I've ever been to.

I am living recently in Finland, to where I boldly came after the most demanding challenge in my life: to live under the same roof with the love of my entire lifetime, which happens to live here in this town but she's from Estonia.

I changed a diverse but chaotic landscape of my motherland to this monotonous but harmonic landscape between Lahti and Helsinki.

I like challenges. I left a place where I was born and felt comfortable, although not fitting in so much anymore, due to this global economic crisis that has shorten worldwide job positions in number. I don't know yet how and even if I will fit in here. But I'm trying. I think I can have something to bring to this country and to its people. If on their side they will be willing to find this along with me.

It could be a truly win-win situation we have here. 

It could. But it probably won’t be. Finns don’t seem to like that much foreigners in their lands, generally speaking. They seem always very reserved. They could for their own benefit be more open to the different visions migrants here bring to this society quite closed in itself.

t’s true that finns can easily be quite self-sufficient. They don’t seem to need anyone to show them how to live on some alternative way, diverse from what they get used to along several years of some cultural isolation.

And their language is an immense barrier they left built against the rest of the world. In so many places around this world people are used to see on the streets of major cities these letterings in the local language and in english, as well… Not here. And they don’t have so few tourists as one could suppose.

Finns sometimes seem not to believe on themselves to be able to socialize with other people. Not even with their nordic brothers. Or even with their linguistic neighbors, the estonians. Finns are kind of post-modern eskimos.

Will I ever be a good citizen here? Since I was not able to be so where I was born… Should I want it, even? Will I be “civilized” by force here? Will I let this happen?…

I am only sure of one unique fact: love has brought me here. Let’s see what will be the price I will have to pay with my soul.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

• ZEUS - o filme

Manuel Teixeira Gomes foi um dos nossos primeiros presidentes da novel República Portuguesa, entre 1923 e 1925. Algarvio natural do barlavento, da mui nobre cidade de Portimão, onde dá o nome a uma praça e a uma casa-museu, sob a alçada da Câmara Municipal.

Foi porventura o mais romântico dos nossos vários presidentes. De sempre e não só da chamada primeira República.

São dele estas esclarecidas palavras:

"A política longe de me oferecer encantos ou compensações converteu-se para mim, talvez por 
exagerada sensibilidade minha, num sacrifício inglório.
Dia a dia, vejo desfolhar, de uma imaginária jarra de cristal, 
as minhas ilusões políticas. Sinto uma necessidade, 
porventura fisiológica, de voltar às minhas preferências, 
às minhas cadeiras e aos meus livros."

Renunciou ao seu cargo de Presidente da República Portuguesa e de imediato e voluntariamente auto-exila-se no norte de África, fixando-se em 1931 em Bougie, na Argélia, que ele considerava, curiosamente, como que "uma Sintra à beira-mar”.

Para o seu exílio ser concretizado o mais rápido possível, à falta de melhor opção, determinou-se a partir num modesto cargueiro* de bandeira holandesa e de seu nome “ZEUS”. Porque não havia outro transporte marítimo de navio de cruzeiro que lhe fosse satisfatória a espera pelo embarque.

Há quem o compare a Corto Maltese, personagem bem conhecido da banda desenhada, da autoria de Hugo Pratt… O que me desperta ainda mais a curiosidade sobre este singular antigo presidente português. Que foi sobretudo um homem de letras. E sempre um homem simples, com uma simpatia e charme natural.

Dito isto sobre o algarvio Manuel Teixeira Gomes, vou abster-me de fazer quaisquer comparações deste com outros. Que até seria deselegante da minha parte bater em ceguinhos e desprestigiante para este nosso vate-presidente. 

Só acrescentarei sobre o nosso homem que preferia as letras que escreveu, entre outras obras, “Novelas Eróticas” e “Cartas Sem Moral Nenhuma”. O que dirá algo sobre o seu carácter humanista.

Está neste momento ainda em fase de rodagem um filme** que pretende retratar os tempos conturbados da adolescente República Portuguesa que levaram ao desencanto de Manuel Teixeira Gomes pela coisa pública. Aqui em baixo podemos ver um exemplo do que será o cartaz deste filme, quando vier a estar em exibição em sala.

Filme este no qual eu participei no passado sábado, vestindo a pele dum oficial superior do exército português. Que fazia parte da audiência de uma sessão solene da Academia Militar onde Cunha Leal instigava com um seu discurso à sublevação contra o então vigente presidente Manuel Teixeira Gomes.

Eu fui, com muito orgulho, um dos oficiais do exército que discordavam dessa sublevação aventureirista, inspirada no pensamento político dos emergentes fascismos europeus de Benito Mussolini e Primo de Rivera.

Este acabou por não ser, afinal, o meu primeiro filme, como eu previ num post de outro dos meus blogs. Todavia, estou muito mais ansioso por ver o resultado final desta minha última sessão de filmagens, ou seja, o filme depois da sua montagem final. Embora saiba que fiz apenas um pequeníssimo papel, creio todavia que, modéstia á parte, com um "boneco" do caraças!…
______________________________________________________

Nota: A quem aprouver, poderão ler uma biografia não-oficial - talvez a mais genuína… - de Manuel Teixeira Gomes clicando aqui, e a dita oficial na página oficial da Presidência da República Portuguesa, clicando aqui. A Wikipédia ainda tem uma outra versão diferente das duas primeiras.

* Já consultei e ouvi várias versões desta história. Uns dizem que era um paquete grego, outros que não, que era holandês… Fico-me pela versão do realizador deste filme, que me afiançou que se tratava dum cargueiro e não dum navio de passageiros. E do país das tulipas. O biógrafo da página oficial da Presidência da República Portuguesa talvez tenha sido crente que um simples cargueiro era “indigno” para a figura dum ex-Presidente…

** Produção em desenvolvimento da Happygénio, realizada por Paulo Filipe Monteiro.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

• A voz dos muros - XIV

Ontem, num pequeno mas bravo país* europeu celebrou-se o dia da chamada “Singing Revolution”.

Eu que sempre pensei que a revolução mais hippie que alguma vez houve neste mundo dos humanos era a do meu país… 

Desperto agora, devido a uma recente paixão que me arrebata o sono, que outro povo valente há que também teve a sua revolução não-violenta e extraordinária.

Os filhos das revoluções também se apaixonam. Não sujam os muros apenas com duras palavras de ordem. Contra aquelas forças que nos dominam. Não.

Também têm corações que pulsam. Também têm olhos para a beleza deste mundo. Que fica mais belo com a existência nele de certos seres. E aqui está a prova disso, com a foto acima a mostrá-lo.
______________________________________________________

* Que se vai tornar também meu, um dia, quiçá…

sábado, 15 de agosto de 2015

• Desmascarar é preciso

O autor deste blog não é um militante do Bloco de Esquerda. Não é mas até poderia bem ser. É, antes do mais e sobretudo, simplesmente mais uma voz pela verdade e contra a hipocrisia. 

Ok, eu sei bem, isto pode soar a lugar comum… Mas na política à portuguesa esta é uma atitude que é forçoso manter sempre desperta. E na guerra dos cartazes, que está a começar por estes tempos, os do BE - de que vemos um exemplo acima - foram até agora os mais inteligentes, francos e honestos.

E tal como as pessoas reais que dão o seu nome nestes cartazes, eu também gostava de dar o meu testemunho de como tenho vindo a atravessar estes anos de chumbo. 

De como tive o apoio social que me seria devido, pelos anos em que andei a contribuir para este, a ser cortado "à cão”! Numa altura em que nos media se relatava esse “esforço” estatal a incidir sobre um grande número de outros cidadãos, que como eu estavam nessa situação económica e profissional precárias. A de depender de um subsídio de desemprego.

Houve, creio eu, uma intenção deliberada da parte deste (infelizmente) ainda actual governo português de “manter os cofres sempre cheios”, à custa do fechar da torneira a esses madraços desses malditos desempregados, que só lixam as estatísticas!…

Também gostaria de relatar como me tenho vindo a tornar um pária nesta sociedade lusa, à custa daquilo a que passei a chamar de bullying fiscal. E de como já pensei justamente em pedir estatuto de refugiado económico - não apenas político - noutro país qualquer, no qual os cidadãos e as suas vidas - e até as obras feitas em prol de um bem-comum e não de um lucro próprio ou alheio - tenham mais valor do que os números macro-económicos

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

• A vida como uma farsa - parte III

Aviso à navegação: a nova telenovela da SIC, “Coração d’Ouro”, creio que a estrear em Setembro próximo, é imperdível!!!…

Já tive uma primeira participação nesta história na sexta-feira da semana passada, que constitui mesmo uma efeméride para mim: a minha décima telenovela. E fiz referência a esta noutro dos meus blogs, neste post que pode ser lido clicando aqui.

Tenho sido até agora apenas um bibelot móvel, um adereço ambulante e, de vez em quando, falante. Um figurante, ou na terminologia anglo-saxónica, an extra or background cast member. Mas embora limitado a apenas isto, divirto-me bués nos locais de filmagens! Ainda. Ao invés do que parece acontecer a outros colegas meus mais veteranos nestas andanças.

Como ia dizendo, na sexta-feira passada fui um paciente ou utente da que vai ser a famosa Invicta Clínica nesta história. Enquanto dois protagonistas, o João Reis - que aqui vai com certeza ter o papel da sua vida em telenovela - e a Ana Padrão se cruzam comigo, eu estou a dar-lhes o maior desprezo, salvo seja, agarrado ao meu telefone móvel, a enviar na ficção sms’s reais a um ente querido meu na vida real, também.

Até aqui, nada de extraordinário. Ontem, uma solarenga quarta-feira deste querido mês de Agosto, segunda participação em “Coração d’Ouro”. E as coisas aqueceram, e bastante!…

Em todas as telenovelas portuguesas produzidas até hoje, não deve ter havido qualquer encenação que se aproxime em rigor e audácia àquela em que ontem estive envolvido!..

Passo a descrever… Local das filmagens, primeiro impacto altamente positivo: o Palácio do Correio-Mor, em Loures. Um mítico local, pessoalmente falando, de que conheço bem a história, os exteriores e a paisagem envolvente. Mas onde nunca tinha entrado.

Trama: imagine-se uma festa decadente, recheada de convidados, todos membros de uma suposta aristocracia e haute bourgeoisie. Homens trajando todos de fato preto e alguns, entre os quais me encontrei, com uma capa preta por cima, estilo a do Sandeman. Mulheres, esposas destes, todas com vestidos de cerimónia. Em menor número do que os homens. Logo, alguns homens tinham chegado em solitário a esta festa. Mias uma vez o meu caso. 

Todos, homens e mulheres, na casa dos cinquenta para cima. Malta da pesada, portanto. Algumas barriguinhas proeminentes. Todos os convidados, de ambos os sexos, usavam máscaras a tapar o rosto, sobretudo os olhos, umas venezianas outras mais minimalistas. A minha era como a de Zorro, negra e pequena.

E porquê toda esta palhaçada, perguntarão… Já se esqueceram que eu disse de início que isto era uma festa “decadente”… Bom!…

A coisa não era bem uma orgia romana. Logo, se bem que o food & beverage não fosse à fartazana, não era nada de se deitar fora. E a mesa no centro do salão era tudo menos recatada… 

Aquilo também não era bem o ambiente de Roissy, do romance “Histoire d’O”, de Pauline Réage, obra literária das que mais me influenciou a adolescência. Mas a criadagem, senhores… 

Uma boa meia dúzia ou mais de meninos nos seus vinte aninhos, todos com calças pretas de smoking, em tronco nu com apenas um lacinho preto ao pescoço, e com corpazins de body builders bem bronzeados. Uns verdadeiros armários para o completo deleite das damas kotas refasteladas nos sofás.

Igual quantidade de criadas meninas, talvez ainda mais jovens do que os meninos, todas usando apenas sugestivas peças de lingerie, como corpetes vintage rubro-negros e pump high heels. Umas quantas voluptuosas zuquinhas, uma ou outra gazela cor de ébano, mais umas elegantérrimas tuguinhas e umas três ou quatro russian dolls. Um perfeito bouquet.

Descritos todos os personagens intervenientes, o estilo do regabofe que ali se produziu com afinco e abnegação ficará agora ao critério da imaginação do meu caro leitor… 

Isto foi o que se filmou nos interiores do palácio durante a tarde, que é suposto ser uma festa nocturna. Interiores esses de que se pode ter uma leve ideia olhando a foto aqui ao lado. Que não é em rigor o salão que se verá na pantalha e no episódio em que esta festarola irá para o ar. Mas que dá para dar uma ideia do que é o fausto dentro daquelas paredes.

Depois do lusco-fusco filmou-se a chegada em grande estilo de todos os convidados, a exibir uma bela duma frota automóvel adentrando os portões do palácio. Uma coisinha em grande estilo, à luz daqueles grandes candelabros de pé em ferro fundido com dezenas de velas. E aquele povinho todo a sair dos seus meios de transporte, todos grandes máquinas germânicas. O João Reis, no seu Porsche 911 cabriolet preto…

Pormenor curioso, entre o fim da tarde e as filmagens pela noite dentro, embora estivesse com calor não consegui retirar a minha indumentária. Aquela capa colou-se-me à alma. Caminhei todo deleitado pelas alas daquele palácio, interiores e exteriores, com a capa a esvoaçar com a ligeira brisa que naquele local sempre sopra. 

E quando me sentava em repouso, naqueles inevitáveis momentos de espera entre takes, fazia com que a capa negra me envolvesse, como se eu fora um morcego. E colocava o capuz a cobrir a minha cabeça. E assim me quedava feliz, em meditação sobre a minha existência.

Existência essa que eu em amena cavaqueira no facebook esta matina com o mesmo ente querido atrás mencionado considerei de pobre. Não me assiste aquilo a que entre nós se convencionou apelidar de “energia do dinheiro”… E no entanto, na ficção levo algumas vezes, e não poucas, uma vida à grande e à francesa!..

Fui logo repreendido após este grito surdo acerca da minha pobreza!.. Se eu pudesse ao menos escutar o que eu estava a dizer, fizeram-me notar!… Então eu tenho a chance de viver experiências que o comum dos mortais invejaria e não pode viver… E ainda me lastimo que sou… um pobretanas???…  

Que mal agradecido, senhores, que venho sendo com meu destino. Se a vida real me é funesta, ao menos tenho a farsa da ficcional para me ir alegrando uma beka.  ;-)

Haja mais coisas destas que me permitam a existência sustentável, ou seja, as contas pagas. Que quanto ao resto nem preciso assim tanto do vil metal, graças aos deuses…

quinta-feira, 23 de julho de 2015

• Anedotário Rasca - V

A chave mestra para compreender as idiosincracias do intrincado humor português. Digo, o actual, contemporâneo desta maldita crise…

Paying some tribute to my ever growing international audience - hi, you people from NSA!  ;-)  - what’s written in portuguese on these comic word balloons goes like this in Shakespeare's language...

“At the bottom of the well there's a joke...
But it's useless to tell you the joke...
You will only find it funny if you are also at the bottom of the well."

domingo, 5 de julho de 2015

• Όχι, όχι, όχι!...

Ίσως ποτέ τόσο πολύ όσο σήμερα μία ψήφο είχε τόσο μεγάλη δύναμη για την υπεράσπιση της δημοκρατίας και της αξιοπρέπειας ενάντια στην τυραννία και την υποκρισία...

Perhaps never so much as today one vote had so much power in defense of democracy and dignity against tyranny and hypocrisy...

Talvez nunca tanto como hoje um voto tenha tido tanto poder em defesa da democracia e dignidade contra a tirania e a hipocrisia...

E por falar nisso… E agora só para consumo interno… Sou só eu que acho extremamente pornográfico o sorrisinho de Pierre Pas Lapin que ele põe na expressão do seu rosto, talvez de um modo inconsciente até, quando abre a boca e debita cá p’ra fora toda a hipocrisia inata do seu ser político? 

Isto é para mim sobretudo notório quando este tratante aparece a falar directamente para os seus apaniguadoos jotinhas, em reportagens na televisão. E, indirectamente, a querer dar recadinhos para cada um de nós, aqueles piegas bandalhos que andámos a viver todos acima das nossas possibilidades. E que ele apostou em tomar como a sua suprema missão lixar-nos a vidinha!…

O pavor com que ele deve viver hoje em dia por causa de vir, mais tarde ou mais cedo, a perder a face!… E de ficar para sempre do lado errado da História de Portugal.

Se alguma vez ele foi um bom homem de princípios sãos, perdemo-lo para quem ele vendeu a sua alma.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

• Destroçado me sinto…

Se estes aprendizes de feiticeiro que o povo - com o seu voto ou a sua omissão de votar - democraticamente colocou em Belém e em São Bento com o pleno usufruto do poder executivo governassem na gloriosa época histórica das descobertas…

…Mandavam as caravelas todas voltar para trás e vendiam-nas ao desbarato.

Porque quem tinha enviado as caravelas mar adentro teriam sido os despesistas do anterior governo em funções, que perdeu as eleições, deixando-lhes essa pesada herança entre mãos e que não sabiam o que fazer com esta. 

Ah, e atiravam os piegas dos marinheiros todos para o desemprego. Não sem lhes sugerir que tentassem arranjar novas oportunidades de melhoria de vida na emigração para os reinos de Castela, da Flandres ou de Inglaterra. Subliminarmente, para depois poderem defender-se, parodiando com tal sugestão não passar de um mito urbano.

É essa a real dimensão da falta de visão desta gentinha, bem como das suas ignorância e cobardia política. E da nossa desgraça.

terça-feira, 2 de junho de 2015

• Pai, não lhes perdoes...

Há mais de 5 anos atrás escrevi um post a que intitulei “Os velhos do Restelo”… Hoje, passado todo este tempo e vendo o estrago que estes filhos da mãe destes young turks da política tuga actual produziram na nossa democracia, acho que começo a me baldear para os kotas outra vez!…

Pierre Pas Lapin pediu um belo dia desculpa aos portugueses, quando ainda era oposição e teve de se associar a José Sócrates numa medida impopular que ambos julgaram absolutamente necessária. Depois, chegou em 2011 a primeiro-ministro. Por causa do nosso desgraçado karma. E então achou que o posto o dispensava de pedir mais desculpas e até o autorizava a fazer todas as sacanices em série que cometeu até hoje.

Entretanto, um dos meus bem entranhados ódiozinhos de estimação, Manuela Ferreira Leite, desata hoje em dia, numa prateleira dourada em que tropegamente a arrecadaram no PSD, a ser desbocada mas carregadinha de razão… Quando disse, num exemplo não isolado, que (sic) “os funcionários da AT, Autoridade Tributária andam p’rái a estragar a vida a muito boa gente”.

O que será que o raio do poder faz a esta gente, que lhes seca todo e qualquer sentido de sensibilidade social, quando mais imperativo seria que o tivessem?… E que só volta a desabrochar quando se sentem positivamente ostracizados?…

A nossa riquíssima miss Swaps - aquela senhora a quem eu até me repugna chamar pelo nome, tal foi a sua subida vertiginosa até ao top dos meus ódios de estimação - tem de ir para uma clínica de reabilitação com urgência. Antes que provoque p’rái algum efectivo e não encapuçado genocídio de reformados. E de desempregados. E de todos aqueles que engrossam os números dos ficheiros Excel - que ela herdou do Vitinho, esse outro louco seu mentor, desaparecido de cena - relativos a esbanjadores dos dinheirinhos que a ela tanto andou e ainda anda a custar a arrebanhar nos cofres do estado.

Cofres esses que a senhora, nas suas alucinações devidas ao ar viciado contido dentro da sua redoma institucional, ainda passará a ver um dia destes como propriedade exclusiva dela mesmo. Afinal, dão-lhe tanta trabalheira... E ela nunca se dá por satisfeita.

Valha-nos a doce ilusão de termos alguém que parece ter jurado abraçar a missão de funcionar como um contrapeso dela na pessoa de Paulo Portas. Nem que seja só para inglês ver. Pobre marioneta, este Paulo... Chego até a ter simpatia por ele, vendo como a máquina do estado o tritura tão grosseiramente.

Bom, mas deixem-nos de lamechices! É mister urgente correr com esta gente toda. É que não sei se consigo sobreviver até ao fim deste mandato. Não sei mesmo!…

E não pensem em nos vir pedir desculpas depois, seus estúpidos canalhas!… Vocês é que são mesmo rascas, cambada!… Eu sou um amador á vossa beira…

quarta-feira, 20 de maio de 2015

• A vida como uma farsa - parte II

…e como em Roma sê romano, se esta vida é uma farsa completa, eu vou armar-me hoje num grande farsante. Como? Eu explico.

Sou um dos donos dum segredo que pode vir a ser muito disputado. Já sei como vai ser o final* da telenovela “Mar Salgado”, da SIC. Eu estava lá, por dever de ofício. Mas só irei revelar este segredo se me torturarem ou me subornarem ou escreverem um comentário neste ou em qualquer post de qualquer um dos meus blogs.

Esta hoje foi já a oitava telenovela em que tive como adereço móvel algum tipo de participação. Mas é a primeira em que envergo uma farda. E também a primeira em que estou nas cenas finais. Depois de já ter estado no primeiro episódio doutra novela, “Mulheres”, da TVI.

Esta última novela e “A Única Mulher”, também do mesmo canal, foram até agora aquelas em que estive mais do que um dia em filmagens. Ainda ontem estive pela terceira vez na pele daquele membro de conselho de administração, experiência de farsa de vida que já abordei neste outro post neste blog.

Hoje fui bombeiro. No cair do pano da novela de hoje, “Mar Salgado”, eu seguro o pano que vai cair sobre o corpo dum cadáver, que jaz no chão de terra batida dum estradão florestal na serra da Arrábida. Para o tapar. Paz à sua alma. Eras pouco fresco, eras...

Rei morto, rei posto, dever cumprido e pardais ao ninho, todos nós, fazedores de farsas, tratámos depois de ir almoçar quase á hora do chá numa bela e solarenga esplanada, o restaurante Rockalot Acqua Bay, no parque de Albarquel, com uma vista de deslumbrar sobre Tróia e as águas claríssimas da foz do rio Sado. Vide foto neste parágrafo. Uma coisinha que na foz do "meu" Tejo é impossível de ter…

Isto foram as farsas de ontem e de hoje. Amanhã ainda não sei o que serei. Só sei que tenho de comparecer no Hotel Pestana Palace, na Lapa, com traje de finório. Afinal, aquilo é um supra-sumo do luxo na hotelaria portuguesa… e eu sou um poder diabo que não sabe onde perdeu as botas. Mas parece que sou sendo bom como farsante.
______________________________________________________

* Que segundo me afiançaram, só será transmitido lá para Setembro…

Nota: Sobre as outras sete anteriores novelas em que estive envolvido em gravações já escrevi em vários e variados posts dos meus três blogs. A quem se quiser dar ao trabalho ou à bisbilhotice de pesquisar a minha “vida de artista” e escrever a biografia deste activista rasca, poderá clicar aqui para aceder a esses posts.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

• Anedotário Rasca - IV

Ó gente da minha terra, cambada de labregos incultos...

Temos pena mas esta anedotinha hoje tem de ser em inglês. É que nem a expressão corrente em causa é usada pelos polícias lusófonos, tanto quanto eu saiba; nem o jogo de palavras é possível na língua do nosso poeta zarolho. E sem mais delongas nem preâmbulos inúteis, atão é assim:

A man is being arrested by a gorgeous female police officer, who informs him: ”Anything you say can and will be held against you." 

The man replies: ”Boobs!"

sábado, 25 de abril de 2015

• Como uma Fénix

Sim, hoje estamos sangrando. Mas havemos de lamber as feridas. E nesse dia em que nos levantarmos todos juntos, uma vez mais, ides tremer, ó cambada de bundas moles escravos do vil metal!... E ladrões do verde da esperança...

Não ireis mais dormir descansados, com o medo de que acordemos!...

sexta-feira, 10 de abril de 2015

• A vida como uma farsa

Esta vida é mesmo uma absoluta farsa pegada! Anteontem, durante uns breves minutos, fui um dos ilustres membros dum conselho de administração duma grande empresa de construção civil a operar nesse eldorado que é Angola… Por uns escassos momentos apenas. Entre as vozes de “acção” e “corta”. Em dois ou três takes.

E porque tive esta oportunidade de estar na pele dum alto quadro administrativo?… Porque estou desempregado.

Se na vida real tivesse um emprego, talvez não pudesse na ficção representar um CEO.

Mas enfim, se não tenho um emprego estável, se sou um merdas de um desocupado, se não tenho valor para ser reintegrado no mercado de trabalho… Ao menos fiquei a saber que terei o perfil adequado no mundo empresarial para ser um funcionário de topo de hierarquia. No que à imagem estereotipada diz respeito.

Mais vale ser rei por um dia do que plebeu toda a vida, dir-me-ão… Nem que seja de faz-de-conta. E eu retribuo que não. Nem mesmo assim. Não neste meu caso.

Até na ficção ando com uma malapata daquelas. Então não é que a “minha” empresa vai sofrer um baita cambalacho e vai direitinha para a bancarrota?… Isto é que se pode chamar com toda a prioridade “ter galo”, caramba!…

Este papel que tive de desempenhar, numa reunião de conselho de administração altamente tumultuosa, fi-lo mesmo ao lado dum actor relativamente bem rodado e apessoado, o Paulo Pires. A minha fraca figura deixava-o assim brilhar mais, pelo contraste evidente… Talvez por isso fui escolhido para o papel.

Contracenei ainda com um outro monstro sagrado das telenovelas da TVI, o José Wallenstein. Com um puto novo nestas andanças, quanto a mim, um tal de Graciano Dias. E ainda com um gajo que me fazia lembrar o Rui Sinel de Cordes em versão anafadinho, do qual não descobri qual a graça sua.

Esta reunião era para decorrer com um ambiente de cortar à faca. E havia montes de papelada, toda espalhada ao centro da mesa. Para entrar com eficácia na minha personagem, pus-me a pensar que as ditas resmas de folhitas A4 timbradas eram como que as cartinhas de amor que a AT, a querida Autoridade Tributária, me envia na dura vida real, com regularidade e fé religiosa de que eu lhes ligo pevide.

Isto foi na quinta telenovela a que já emprestei as minhas fuças. “A Única Mulher”, uma produção luso-angolana*. Nos estúdios da Plural perto de Bucelas, Loures. O nosso Projaczinho luso.

Com esta minha característica sorte prevejo que o meu próximo papel vai ser assim: como costumo dizer que sou actualmente um desapaixonado do emprego e um desempregado da paixão… E à semelhança desta última jovial experiência… Vou representar um sultão turco com um harém inteiro a sofrer de terríveis enxaquecas e com a minha mão direita engessada.
______________________________________________________

* Olhem, se vos aprouver, ó leitores jeitosos, façam “Like” na bela página do feicebuque desta novela, clicando aqui.

E nos posts da minha cronologia também, já agora… E nos dos meus três blogs, onde abordei as anteriores participações minhas em outras novelas. Por favor, contribuam para a sustentabilidade da minha actual existência neste planeta. Nem que seja apenas com efeitos na minha existência virtual. Se acharem que eu terei alguma graça. Se eu não for como aquele palhaço que foi pedir um aumento ao dono do circo. Obrigadinha.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

• Uma pub fofinha

Há uns largos dias, estava eu deambulando pelas ruas da minha cidade de Odivelas e eis senão quando deparei com este MUPI, aqui mostrado ao lado.

Tendo já vivido uma carreira profissional na indústria do advertising e presumidamente possuindo um sentido crítico educado no seio do ambiente criativo da dita “agência de publicidade mais criativa do mundo”, a Saatchi & Saatchi, no seu há muito extinto bureau local de Lisboa, blá, blá, blá, Whiskas jaquetas, etc, etc… Tenho a dizer o seguinte: raras vezes me foi dado ver uma campanha publicitária na área social tão bem bolada. 

Tão singela e genial a sua criatividade. Tão simples e directa, tão bem straight to the point. Com layouts tão perfeitos e elegantes. Tão surpreendente e a priori supostamente eficaz na mensagem a emitir. Terrificamente eficaz, direi mesmo eu! A julgar pelo impacto inicial que me causou, assim de chofre.

E depois, ainda por cima, com um daqueles castings extremamente bem conseguido!… As três raparigas que posam nesta foto de grupo são todas elas umas fofinhas. Lindíssimas, assim em trio. 

A bela da punchlineEla é lésbica e estamos bem com isso.” então é maravilhosamente simples! E não nos diz quem é das três meninas que será aquela que tem uma sexualidade dita alternativa. Pode-se presumir que será a do meio. Mas pouco importa.

Porque justamente todas elas vivem bem com o que se nos afigura assim como um facto absolutamente inquestionável. E em que até somos levados  a crer como seria possível ser diferente. De tudo tão normal nos parecer. Como nunca devia deixar de ser visto assim mesmo. Nunca. Jamais.

Eu nunca tive, que eu saiba, uma amiga que se dissesse, de uma forma franca, ser lésbica ou bissexual. E tenho pena. Porque estou convicto que poderia ter com alguém que tivesse essa orientação sexual uma troca extremamente enriquecedora para ambas as partes. Uma sublime oportunidade duma win-win situation.

E nem quero saber se dizer isto pode parecer patético, vindo de um canastrão. A porra é que… Bolas, não há mesmo maneira de eu me sentir um canastrão! Não com a cuca que eu tenho, ainda ou apesar das minhas quase cinco décadas e meia. 

Esta campanha publicitária é da responsabilidade da rede ex-aequo. Parabéns a esta organização. A julgar por esta iniciativa, a sua missão será atingida com bastante sucesso.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

• Suis-je Charlie?...

"The moment you limit free speech it's no longer free speech"
 - Salman Rushdie

Finalmente, alguém disse tudo! E de uma forma clara como água.

Rushdie proclamou estas palavras hoje*, mais de uma semana depois da acção infeliz e estúpida de três ou quatro doidos** extremistas islâmicos que ceifou várias vidas cobardemente na redacção da revista satírica-humorística parisiense Charlie Hebdo… E as vozes a criticarem a postura de vida dos colaboradores desta revista que foram assassinados continuam a zumbir de uma forma ensurdecedora.

Para sintetizar o tom geral dessas críticas, pouco iluminadas a meu ver, vou citar o que disse no facebook um cidadão brasileiro, que presumo ser um bom católico: 

“Brincar com a fé das pessoas é piada de mal gosto. Todo mundo sabe que o Islã possui grupos radicais que estão dispostos a matar em nome de Alá. Os cartunistas foram avisados. É sempre lamentável falar da morte de alguém, mas foi uma morte anunciada. Sinto muito pelos inocentes, mas não se pode brincar com a fé das pessoas e achar que não haverá consequências.”

Quanto a mim, é absurdo o que se diz neste comentário. É evidente e bem sabido que nunca ninguém achou no Charlie Hebdo que não havia consequências. Todos eles nesta revista sofriam e os que restam vivos continuam a sofrer consequências dos seus actos. Porque eles viviam e vivem com um medo permanente. 

Medo dos muçulmanos, dos cristãos, dos judeus, dos políticos e de todos a quem eles incomodavam ou obrigavam as consciências a questionar-se. E sobretudo, claro, dos extremistas e obscurantistas de todas as cores e religiões. 

Estes humoristas não eram ingénuos, como os que os criticam querem supor. E para falarmos apenas de ameaças veladas em telefonemas anónimos, devem ter havido aos milhares por dia, ao longo de toda a existência do Charlie Hebdo. Mas esse medo não lhes terá feito dobrar a espinha dorsal.

Custou a vida a alguns deles mas morreram sem prostituírem os seus ideais face a quem eles criticavam. E já agora, temos de convir que o extremismo islâmico - ou o de toda outra qualquer fé religiosa - tem de ser criticado. E denunciado. Não pode ser uma coisa intocável. Senão alastra. Por causa dos dois infinitamente grandes de Einstein. 

Eu não seria capaz de ser tão mordaz quanto os cartoonistas do Charlie. E mesmo rasca como sou, também posso muito bem questionar o bom ou mau gosto das suas charges. Mas isso é o meu conceito pessoal de bom gosto. E cada um tem o seu. Mas isso não está nada em causa nesta querela pública.

O que essencialmente está em causa é que os nossos conceitos pessoais de bom gosto não devem ser os limites a impôr à liberdade de expressão! Primeiro, porque cada um tem os seus. E será difícil haver consensos universais acerca disso. Segundo, porque é perigoso sequer pensar em definir limites à liberdade de expressão! Não se sabe onde se vai parar com isso.

Eu não sou capaz de ser Charlie porque não iria tão longe quanto esta revista foi e vai continuar a ir com as suas farpas. E ainda menos teria a coragem destes cartoonistas. Aqueles que morreram vão fazer falta a este mundo. E por causa dessa falta que eles farão é que, por outro lado, je suis Charlie.

Outro cidadão brasileiro retorquiu a esta minha tomada de posição com isto, a seguir:

“Eles não brincaram apenas com as religiões, eles brincaram com suas vidas e com as vidas das pessoas que não tinham nada com o assunto. Muita gente morreu e pelas reações, muita gente ainda vai morrer. Valeu a pena????”

E eu concordei com este outro cidadão. Ele tem razão. Muita gente ainda vai morrer até que o obscurantismo tenha um fim, se alguém vez tiver. Se vale a pena estas mortes? Eu estou aqui pensando que nem a morte de Cristo na cruz deve ter valido a pena. 

A humanidade ainda não se emendou e nem foi salva como Jesus, o nosso salvador, aquele que por nós morreu queria. Afinal, continuamos nos destruindo uns aos outros.

E os caras do Charlie Hebdo não brincavam mas antes alertavam com sua sátira para essa insana auto-destruição e para a irracionalidade dos fanatismos religiosos. E não só mas também de algumas políticas hoje seguidas na sua França, na União Europeia e no mundo ocidental, dito civilizado. E para rematar este assunto, vou citar mais uma vez uma mente brilhante, tal como tão bem comecei. 

"Love is wise; hatred is foolish. In this world, which is getting more and more closely interconnected, we have to learn to tolerate each other, we have to learn to put up with the fact that some people say things that we don't like. We can only live together in that way. But if we are to live together, and not die together, we must learn a kind of charity and a kind of tolerance, which is absolutely vital to the continuation of human life on this planet.”
 - Bertrand Russell

Isto traduzido para um cartoon charliehebdomaníano, dá na capa que está ali um pouco acima…
______________________________________________________

* Para ver um video com um excerto duma conferência em que Rushdie proclamou as palavras no topo deste post, clicar aqui.

** Digo doidos, porque antes de extremistas, estes tipos que executaram esta acção de represália contra o Charlie Hebdo são simplesmente uns insanos a quem o fascínio de deter uma arma de fogo e o poder de argumentação que esta lhes confere subiu à cabeça. Como acontece de uma maneira geral aos pobres de espírito.