terça-feira, 17 de abril de 2012

• I need badly to get a job!

"Para que é que todos nós viémos ao mundo?" - perguntou à turma toda o professor de Religião e Moral, essa extinta disciplina escolar do currículo do ensino secundário do Portugal no início dos anos setenta do século passado.

E o desafio filosófico foi sendo respondido pelos alunos, todos mal acabados de ser instituidos como teenagers, de várias formas. Para sermos felizes. Para construirmos algo que fique para além da nossa partida. Para vivermos bem. Para amarmos a Deus. E etc…

"Não." - contestou o mestre, rematando a questão. "Viémos ao mundo para servir. Uns aos outros.".

Bom… embora rapidamente tenha concordado com o dito conceito, também depressa o meu egoísmo se desencantou com a ideia de ter de fazer algo para os outros, sempre até ao fim dos nossos dias. Mas é um facto. Viémos ao mundo para servir.

Até o mais poderoso dos homens, seja o presidente dos Estados Unidos ou o Papa ou alguma obscura figura que mande na economia global, se esta personagem existir, afinal… até estes dedicam a sua vida inteira a servir-nos a todos nós, os outros, seus subordinados ou crentes seguidores.

Pronto, não há nada a fazer. É preciso servir os outros. E na idade adulta isso é sobretudo conseguido com o nosso precioso tempo que empregamos a trabalhar. Entregamos esse tempo a quem nos paga um salário. Que nos permite depois viver desse recurso. Salvo seja, porque nem sempre isso é suficiente para sobreviver.

Eu tenho, pois, de arranjar como justificar a minha existência. Como? Servindo. Trabalhando. E ganhando dinheiro. Para poder sobreviver. E assim poder continuar servindo. Os nossos avós Adão e Eva foram expulsos do Paraíso; portanto, lá terá de ser...

Bom… A mim não me querem como voluntário na ilha do Corvo. Que é como que um grande navio parado e decrépito no meio do oceano. Na boa. Tásse bem. Mas então… 

Vamos tentar arranjar emprego num navio em constante deslocação por este mundo todo. Num daqueles grandes paquetes de cruzeiro. A servir àqueles que já gastaram uma grande parte da sua vida a servir outros. Os míticos reformados da Flórida, sempre estereotipados com suas bermudas caqui e garridas camisas havaianas. Um dia troco de função com eles. Talvez…

Ou é isto os altos voos de que falava no post anterior a este… ou então ser assistente de bordo numa companhia aérea. A servir uns abastados sheiks árabes. Pelo menos é o que o destino me está a botar à frente na presente comjuntura.

Vamos ver o que sucede. Tenho de fuçar bué to get a job. Aqui apenas a escrever estas linhas que ninguém lê é que não estou a servir para nada.

Tenho de me tornar num cidadão como os outros: útil. Não só rasca.

2 comentários:

Dual disse...

Se ti piace la fotografia e vuoi condividere foto e conoscenze ti aspettiamo sul nostro gruppo di Facebook ..
http://www.facebook.com/groups/281496085252190/

Giuseppe Pietrini disse...

Mi piacerebbe davvero unirmi al vostro gruppo. Grazie per il suo invito, caro Dual.

Abraccio. ;-)
José, aka Giuseppe