sábado, 3 de agosto de 2013

• Yeah, life sucks!...

E se fosse só isso, Charles… mas ainda há pior, hoje em dia.

É que uma vida assim não é nada de sonho. Mas ainda tinhamos ao menos o sonho. De mudar o estado das coisas para melhor. Mas até isso eles nos andam a tirar.

Eles são os "entendidos" em economia. Uma corja estúpida, maldita e - em consequência disso - incompetente que tomou conta do mundo inteiro. Se eles tivessem ganho esse domínio nos anos 60 do século passado, quando reinavam os idealistas, os que têm sonhos, a corrida para levar o homem à lua tinha morrido logo á nascença.

Hoje a ditadura é dos números. Das contas certinhas. De eliminação dos excessos. Do que eles denominam de gorduras do estado. Só é pena é que pareçam ver essas adiposidades somente nos serviços públicos. Para o bem comum de todo um povo. E não nas mordomias próprias de apenas alguns. Deles.

E segundo eles, o investimento em inovação é também um luxo a que não nos podemos dar neste momento. Não há guito…

Eu quando andei a estudar engenharia, nos anos 80, eu queria mudar o mundo. Queria participar do desenvolvimento e do crescimento do recurso a energias renováveis. Que eram as energias do futuro.

Hoje, aquele rumo que tinhamos vindo a seguir, da proliferação de produção de energia eléctrica por via eólica, solar, geotérmica ou das ondas do mar foi transformado em devaneio. Economicamente pouco viável. No curto prazo. Que é o horizonte temporal mais longínquo que eles, com as suas limitadas mentes, conseguem alcançar.

Podiamos também ser hoje um país dos mais avançados e pioneiros à face da Terra na implementação de veículos eléctricos. Mas não. É preferível não ousar. É preferível ter dívidas pagas no mais curto espaço de tempo possível. Ou é isso ou é, quiçá, a rendição aos poderosos lobbies do petróleo.

Hoje, graças a este auto-imposto estado de inanição pela submissão ao interesse "superior" das (ainda por cima) trapalhonas contas do estado, estou desempregado. Devia estar a sonhar em voltar ao mercado de trabalho. Mas…

…para fazer o quê, se já nem há empregos que, embora pudessem não ser bem pagos, ao menos nos permitiam sonhar que estávamos a produzir algo grande? Algo pelo qual valia a pena nos mexermos. Levantar da cama com um despertador.

Já não há nada disso. Já não há "pica". Eles, na sua inépcia cega, não vêem sequer que decretaram a morte do sonho.

E se calhar, irrevogavelmente. Mas como o conceito de "irrevogável" é, nas suas mentes, muito elástico… talvez ainda haja esperança.

Nenhum comentário: