domingo, 25 de agosto de 2013

• "Jobs" - o filme

Fui ontem à noite ver este filme…

Embarquei nesta viagem com a expectativa de que iria ver um filme biográfico sobre um gênio que admiro e no qual se revelariam como lhe surgiram as inspirações para todo o caudal de inovações tecnológicas que ele criou Mas não foi isso o que vi.

O argumento centrou-se sobretudo na Apple, enquanto incontornável mito do empreendedorismo americano e global. E de como foi a sua gestão paradoxal, desde o seu nascimento até à morte do seu criador.

A Apple nasceu, cresceu e ficou mundialmente conhecida como a marca que maior prestígio grangeou e grangeia junto dos seus admiradores, que são em número bastante maior do que o dos seus clientes, já de si imensos à escala global. E isto após o bom do Steve, ter sido expulso da empresa-mito que ele próprio criou e da qual foi o principal mentor. Por deliberação dum conselho de administração acéfalo. E reintegrado anos mais tarde.

Se há lição que este filme nos mostra, essa é uma que eu já sabia desde o outro carnaval!… Que é, afinal:

"Quando os gajos dos números desatam a mandar nisto tudo
mais do que os outros, não há erva nenhuma que possa crescer."

É que os gajos que só olham aos números, sobretudo aqueles que têm associados cifrões, os únicos que eles acham a que accionistas são sensíveis, são os eucaliptos dos espíritos livres da nossa querida humanidade, pobre coitada...

Eles nada criam. Eles só extinguem com a sua cegueira indelével e incurável os ideais de outros, os que são loucos o suficiente para julgar que podem mudar o mundo.

Depois da sessão de cinema, não me pude impedir de fazer um estranho - e até descabido, talvez - paralelismo entre a gestão da Apple e a da coisa pública portuguesa na actualidade.

Bem sei que Portugal não é uma marca. Que José Sócrates não é nem de perto nem de longe Steve Jobs! Que Pedro Passos Coelho não é de todo John Sculley. Que os eleitores portugueses não são accionistas do seu país. E na maior parte deles, se o pudessem ser não era de Portugal que teriam a maioria da sua carteira de acções, não senhor…

Mas reparemos… Sócrates tinha ideias. Tinha projectos. Tinha sonhos. De ver o nosso país ser o primeiro no mundo no número de veículos eléctricos. De sermos energeticamente menos dependentes do exterior e do petróleo. De termos cada vez mais energia de fontes renováveis. De termos um sistema educativo inovador e de ponta a nível mundial, com a adopção do uso dos computadores Magalhães desde as mais tenras idades escolares. Por exemplo…

Sócrates também teve detractores, tal como Jobs. Porque ambos, à sua maneira, eram criativos na sua actividade. E singulares até na forma como conduziram ou conduzem ainda as suas vidas. Mas como em todos aqueles em que centelha nem que seja uma ténue luz de genialidade coabita também por vezes um temperamento irascível… Acabam por ser mal amados pelas maiorias silenciosas e sem cérebro.

Não quero e nem devo fazer aqui a apologia de José Sócrates. Mas quero sim, fazer um elogio a todos aqueles que têm espíritos criativos. Daqueles loucos que julgam que podem mudar o mundo. Que são como Steve Jobs era e disse. E que deviam ser mesmo aqueles que realmente fazem a mudança acontecer no mundo.

Não fossem as ervas daninhas dos gajos dos números e onde é que a nossa civilização já não podia estar, meus deuses…

Mas bom… Uma palavra final para agradecer ao bando de cromos que se podem ver na foto em baixo. Quem diria que sem eles o mundo de hoje podia ser bem diferente…


______________________________________________________

Os leitores deste blog poderão ver o trailer deste filme no seu site oficial, clicando aqui, no site da IMDB, aqui, no Movie-List.com, aqui, ou aceder á sua página no facebook, aqui.

Nenhum comentário: