sábado, 30 de março de 2013

• Bizarre Foods

É provável que seja do conhecimento do cidadão comum português e urbano um programa de TV do canal SIC Radical - e quiçá do Travel Channel, se este ainda existir, que eu não sei; vejo cada vez menos lixo televisivo - assaz curioso que é o "Bizarre Foods".

Andrew Zimmern com um "gooey-duck", um
dos mais bizarros e fálicos moluscos comestíveis
Este é protagonizado pelo chef americano Andrew Zimmern, que um dia se terá obstinado a querer provar de tudo o que pode ser considerado corriqueiro para os nativos de uma dada parte deste mundo mas por outro lado… extremamente estranho, imprevisível, repugnante, inacreditável, nojento, inimaginável, really disgusting e intragável para o monsieur tout le monde do nosso belo mundo - dito - civilizado ocidental. Ah, pois!...

Cá para mim, o que é bizarro não é engolir aquelas nojices que o bom do Andrew mete goela abaixo… porque ao menos ele SABE muito bem o que está a comer.

Bizarro será comer uma coisa e julgar que se está a comer outra! Crendo religiosamente que um rótulo numa qualquer insuspeita embalagem de uma marca de prestígio e renome tão bem alcançados deve ser absolutamente verdadeiro no que diz respeito à lista de ingredientes do produto que contém.

Digam-me lá se os gringos não inventam
marcas mesmo bizarras** para as suas trampas
e de que apetece logo desconfiar...
Depois deste muito recente escândalo* da carne de cavalo a substituir irregularmente a de bovino em lasagnas e outros preparados de comida congelada - que no Canadá há muito tempo começaram a designar-se por TV meals - eu acho que o nosso chef Zimmern devia era ir arrepiar-nos com o que ele iria encontrar na secção de frios dos Continentes, Pingos Doce, Lidl's e IKEA's desta vida! Cá e em qualquer país desta bizarra União Europeia...

A ver se ele não nos faria até o favorzinho de descobrir todas as porcarias que nós ainda não sabemos!...
______________________________________________________

* Escândalozinho este que já foi aqui largamente dissecado neste blog. E que rapidamente demais para o meu gosto desapareceu da mira da comunicação social... Vá-se lá saber porquê, não é mesmo, meus queridos concidadãos e leitores?...

** Bizarra é até o mínimo que se pode dizer... Tolas e bimbas serão quiçá termos mais adequados.

2 comentários:

M.Eugénia Vilela disse...

Carne de cavalo é perfeitamente edível, se não estiver cheia de hormonas estranhas à fisiologia de um cavalo normal. E se pensarmos no pobre do animal, então e os borreguinhos desta época,ou, mais doces ainda, os cabritinhos? Crueldade, crueldade. Sejamos vegetarianos que as couves não sentem.
Agora a aldrabice irrita, irrita francamente, principalmente quando é praticada por marcas em que estamos habituados a confiar. Não há já pachorra para aturar mais esse golpe!

Giuseppe Pietrini disse...

Maria Eugénia, esta aldrabice teve o condão de me irritar solenemente! Que eu seja enganado numa feira de rua, ainda vá! Agora por toda a indústria alimentar da União Europeia, isso é que já custa engolir!...

Mas para quê tanta norma de qualidade se depois o sistema deixa acontecer uma trafulhice tão generalizada e grosseira? E até estúpida...

Enfim!... :-(
Giuseppe