quinta-feira, 21 de abril de 2011

• Vícios Corporativistas...

Manuel Alegre, candidato vencido nas últimas presidenciais, quis dizer de sua justiça na praça pública e veio vociferar condenando a iniciativa do dr. Fernando Nobre - legítimo representante da cidadania da sociedade civil, que os nossos políticos gostam de desafiar a uma maior participação na coisa pública - de ter aceite o convite de Pedro Passos Coelho, dirigente do PSD, para ser proposto por este partido a futuro presidente da nova Assembleia da República, a ser eleita em breve.

Parece que, segundo ele, tal desrespeita essa prestigiada instituição nacional, a Assembleia da República...

Com todo o respeito que este bardo da nação e um poeta combatente pela liberdade me merece, tenho de concordar consigo, dr. Manuel Alegre. Mas...

Lembrar-lhe-ia que, na opinião pública generalizada, os deputados que sempre compuseram a Assembleia da República nas suas diversas legislaturas fazem mais pelo seu desrespeito junto de nós, cidadãos comuns, e diariamente.

Fazem-me sentir que gastam o meu dinheiro, que o Estado me leva nos impostos que devo, desperdiçando tempo demasiado em feiras de vaidades, querelas pessoais e outras vanidades em vez de se focarem num mais produtivo e assertivo debate de ideias e questões essenciais ao nosso progresso civilizacional e como nação.

E acho que não fica bem no retrato quem apela a uma maior participação da sociedade civil - de todos nós não integrados em espartilhos de aparelhos partidários - na política nacional, que depois, quando um membro dessa sociedade civil se chega à frente se critique esse atrevimento. Seja lá no bom nome de que instituição for.

E ainda mais: abomino manifestações de vícios corporativistas, dr. Manuel Alegre. Eu e mais uns poucos, ou não tão poucos assim, que p'ráqui andamos, tentando viver neste país real à beira-mar plantado. País real que o senhor talvez visite algo amiúde quando vai à caça.

Quiçá deveria não disparar tantos chumbos e escutar este nosso colectivo sentir sob mais alguns outros prismas, fora do seu círculo de amizades e camaradagens.

Nenhum comentário: