sexta-feira, 16 de maio de 2014

• Clean up your own mess, gentlemen…

Dizem que a troika vai-se embora amanhã. Dizem!…

Dizem que Portugal vai poder obter o guito novamente naquilo a que chamam prái como os ditos mercados. Mercados que para mim, que nada percebo de economia e nem quero, são ainda umas entidades abstractas. E terroristas. Tal como a afamada Al-Qaeda. Que é mais uma coisa que os media, prestando um serviço a sabe-se lá quem, fizeram nascer na nossa imaginação colectiva. E lá se enraizou esse papão, sem que o possamos sentir como uma realidade que tenha uma face que reconheçamos.

Aprendemos nestes últimos tempos que essa porra dos mercados podem lixar a vida a povos e nações inteiras. Impunemente. E tudo para satisfazer a ganância de uns poucos (?...) grandes agiotas e especuladores internacionais.

Um personagem da cena política portuguesa, que eu não aprecio particularmente, disse um dia uma coisa muito sagaz. E de que eu até me admirei de vir daquela procedência…

Falo da Miss SWOP’s, como é carinhosamente denominada a nossa ministra das finanças. E o que esta distinta senhora disse foi que… De futuro deveriam ser criados mecanismos que blindassem o cidadão comum das consequências das trafulhices com que a alta finança mundial se andasse a entreter. Por outras palavras, se eles fizessem merda, eles que a limpassem todinha depois. E não os outros, todos nós, anónimos e pacatos cidadãos. A quem nos quiseram colar um sentimento de culpa de sermos caloteiros, madraços e de vivermos acima das nossas possibilidades.

Oxalá que sim! Oxalá que os nossos políticos portugueses e europeus voltem a pensar mais no povo que os elege e menos nos donos do dinheiro que lhes puxam os cordelinhos. Isto é, se os(as) meninos(as) tiverem tomates para tanto… O que me parece utópico.

Bom, ás vezes não é preciso só tomates. Requere-se que tenham também lampejos de uma rara inteligência, como a que Maria Luís Albuquerque - o nome real da figura atrás citada - teve. E uma consciência. Coisas que são ambas muito caras. Sem preço algum.

Nenhum comentário: