quinta-feira, 5 de abril de 2018

• No xadrez

Eu, um cidadão rasca, conheci - pela primeira vez na minha pacata vida - na passada terça-feira o que é estar no xadrez.

No dia anterior, neste ligeirinho viver de faz-de-conta, tinha vestido a pele e a bata limpa de um cirurgião. Depois, foi o fato-macaco sujo de um presidiário.

Isto passou-se numa velha e decrétita penitenciária desactivada, a cair oas bocados, o Estabelecimento Prisional de Santarém. Foram apenas umas horitas. Mas deu para perceber bem o que são existências humanas arrecadadas atrás de muros altos e longe dos olhares dos cidadãos livres que passeiam na rua do lado oposto desses muros.

Dias, meses e anos que se devem perder inutilmente, de tantos seres humanos. Tudo isto sujeito a uma ordem pública que sobre todos nós exerce o seu poder que o rebanho, digo a sociedade, não questiona.

Bom, mas estas singulares experiências - que me são proporcionadas por esta minha livre auto-gestão de um viver como folha caída ao vento - são extremamente prazeirosas. São uma óptima fuga a uma rotina arrebatadora. 

São aprendizados muito benvindos, que me fazem reflectir e crescer.

Mais uma vez, toda esta "situação" foi ao serviço da Plural, para a telenovela “Jogo Duplo”, da TVI. 

O meu obrigado a todos que me dão estas oportunidades de despir a minha pele e vestir outra, de brincadeirinha e sem consequências de maior gravidade e prejudiciais de uma tranquilidade zen, que sempre persigo com afã.

Nenhum comentário: