quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

• O Rendimento Básico Incondicional

Há uma coisa que hoje em dia me choca profundamente...

Em Portugal tem existido um inexplicável silêncio sepulcral sobre a próxima grande revolução mundial, que se aproxima a passos largos. O que eu acho muito estranho. Para não desconfiar de algo que me cheira assaz a podre, mesmo…

Essa revolução social que aí vem - de uma forma fatal, direi eu... - visa, antes de tudo mais, um objectivo mui nobre e altivo: a erradicação da pobreza. É uma coisa boa.

E no entanto os media andam a distrair-nos com uma data de outras histórias! E os actores da cena política, social e económica só desejam é estar entretidos com miudezas… E eu cá com os meus botões pergunto-me: PORQUÊ???…

Os políticos, em particular, presumo que estarão a enveredar por um colectivo e cínico sentido de oportunidade. A esperar por um acto eleitoral mais importante. A eleição de um novo parlamento português. De um novo governo. Uns e outros não devem querer por enquanto brandir essa bandeira. Para não dar trunfos aos adversários.

Existiu até ao passado dia 14 de Janeiro de 2014 uma Iniciativa de Cidadania Europeia para o Rendimento Básico Incondicional, para levar a se discutir publicamente esta proposta do RBI no Parlamento Europeu. Por petição pública. Que falhou. Não foram recolhidas as assinaturas em número suficiente para aquele conjunto de bundas moles de eurodeputados se começarem sequer a mexer… Que chatice!...

O RBI parece uma ideia peregrina. Um pensamento bem out-of-the-box. Mas não é uma utopia dos dias de chumbo de hoje. Não. Já no séc XVI Thomas More a formulou.

E já existem conceitos similares ao RBI postos em prática no mundo de hoje. E não só em países onde a pobreza é uma enorme chaga social. Por exemplo, cidadãos canadianos de algumas regiões já usufruem de uma espécie de RBI.

E na Europa?… Enquanto o Parlamento e a Comissão Europeia continuarem a dormir na forma, a Suíça, esse país do terceiro mundo, vai votar este ano o seu modelo de RBI por referendo nacional de braço no ar, típico daquela belíssima e peculiar democracia daqueles malucos dos helvéticos. In your face, you lazy eurocrats!… Mai’nada!

Esta recente crise económica global, que foi a maior bosta que os donos da economia mundial podiam ter evitado, se não fossem umas arvéolas gananciosas, gerou toda uma enorme população de novos pobres. Agora nós, os outros, temos de nos unir afim de limpar esta gigantesca cagada. 

E não há melhor solução do que o RBI. Melhor e para todos. Até para os que afundaram o mundo na fossa. It’s a win-win situation.

Vamos poder respirar todos muito melhor. Mas era preciso debutar, no mínimo, com uns simbólicos primeiros passos, Coelho…

Nenhum comentário: