quinta-feira, 31 de maio de 2012

• Mar de calmaria

É o que tem sido este mês de Maio. Águas paradas. Vento ameno. Que vira as páginas, como se estas os dias fossem, uma a uma.

Mês de sementeira feita. A esperar que os frutos venham. Promessas de boas - excelentes, mesmo - colheitas a caminho. Ventos de feição se levantarão, para a navegação rumo ao futuro.

Maio arrancou, comigo andando aos caídos. Entregue às traças. Mas este final do mês está a ser agora um turbilhão crescente. A ponto de não ter havido lugar de pôr a escrita em dia. E até este post parece só para picar o ponto... E é.

Mas bem… Isto não é um muro das lamentações. Boa fortuna vem por aí. Já lhe sinto o perfume bem intenso. E há no ar um cheiro de terras distantes. Todas misturadas.

Nenhum comentário: